quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Plano de vôo

Por Lia Sahadi
Especial para este Blog

Quem está interessado em iniciar o próprio negócio ou organizar o que já tem precisa incorporar algumas dicas para obter sucesso nessa empreitada. Uma das pessoas gabaritadas para fornecê-las é o analista do Sebrae Nacional, André Dantas (foto).

Segundo André, uma ferramenta fundamental para qualquer empresa é a Gestão do Fluxo de Caixa, que é o registro prévio e em tempo real, da entrada e a saída do dinheiro. Isso possibilita ao empresário, visão de futuro sobre a sua exata capacidade de pagamentos.

O fluxo de caixa funciona como um orçamento doméstico, organizado em planilhas com previsões de despesas. Assim como em uma casa, todo negócio possui gastos fixos, como os de pessoal, aluguel, luz, água, telefone, como também despesas consideradas variáveis e extras, como: compras de materiais para estoque, investimentos com publicidade ou qualquer outro evento que gere gastos não previstos.

As planilhas permitem saber se o que se planeja cabe no orçamento da empresa levando-se em conta também as receitas futuras, possibilitando ou não suas realizações. Trata-se, assim, de um ótimo instrumento de controle. “Se você trabalha com essas previsões, a possibilidade de acerto é muito grande”, assegura o analista.

Segundo André Dantas, para se conseguir um bom gerenciamento do fluxo de caixa é preciso ter: disciplina, conhecimento básicos de matemática e capacidade de fazer previsões.
Uma boa ferramenta de fluxo de caixa é o cartão de crédito, que possibilita ao lojista controlar o que tem para receber por períodos curtos, médios e longos. Outra dica importante é começar a trabalhar com o horizonte de tempo reduzido. Por exemplo, gerencie os seis primeiros meses do negócio e faça avaliações do nível de acerto até então. A partir daí, amplie cada vez mais esse período, tendo em mente que quanto maior for o fluxo de caixa, melhor será seu poder de programação.

É importante, ainda, que as despesas e as receitas sejam discriminadas e agrupadas para que se tenha conhecimento daquelas que são maiores e, portanto, gerem um maior impacto ao negócio. O empresário, mesmo os de micro e de pequeno porte, devem contar com o auxílio de um contador que dê suporte gerencial para a empresa.
Portanto, ter uma correta visão orçamentária da empresa possibilita que se faça um “plano de vôo”, ou seja, saber qual a real possibilidade de investimentos futuros. Isso é fundamental, principalmente, para os negócios que dispõem de pequeno capital.

Um comentário:

Dante Favilla disse...

Fantástica a sua reportagem, Lia. Simplesmente surpreendente. Demais! Beijos.