quarta-feira, 16 de julho de 2008

Flores de Pilões, Paraíba


Pesquisas indicam que a maioria das mulheres empreendedoras é arrimo de família. Quanto os maridos estão em casa, mais atrapalham do que ajudam. Uma cooperativa integrada por 21 famílias, dirigida por mulheres e dedicada à produção de sete variedades de crisântemos, as flores mais consumidas do mundo, colocou Pilões, pequeno município da Paraíba, definitivamente no mapa do Brasil, em termos de atenção nacional.

Localizado na microrregião do Brejo Paraibano, Pilões tem 64 quilômetros quadrados de área territorial e apenas 7,8 mil habitantes. A produção de flores já garantiu à cidade, em 2006, os prêmios Sebrae, em nível estadual, de Prefeito Empreendedor e, em nível nacional, de Mulher Empreendedora. Este último para a Karla Paiva, uma das lideranças locais que fizeram a cooperativa de produção e comercialização de flores acontecer. A cooperativa foi a vencedora da etapa Nordeste do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica 2007.

Sob estufas, para melhorar a produção, os crisântemos exigem manejo muito mais intensivo, para um crescimento rápido e sadio. Na floricultura de Pilões são produzidas atualmente 80 plantas por metro quadrado de canteiro, que proporcionam três colheitas e meia por ano.

Bem que as mulheres tentaram trazer maridos, irmãos e filhos para a cooperativa. Mas não deu certo. Primeiro, diziam que elas estavam plantando apenas prejuízo, porque se endividaram, já na largada, para tocar o negócio. Depois, ficaram enciumados com o sucesso. Muitas das cooperativadas contam que depois que passaram a trazer dinheiro para casa as agressões que já eram habituais, intensificaram-se.

Isso mostra que o desenvolvimento socioeconômico pode vir mais rápido que mudanças comportamentais. Os homens resistem a participar de atividades consideradas femininas e, para continuar impondo o que chamam de autoridade, apelam para força bruta.

As mulheres cooperativadas aumentaram a renda média mensal em mais de 250% plantando flores. Se antes, algumas delas, recebiam R$ 200 por mês no corte da cana, hoje ganham até dois salários mínimos com a venda dos crisântemos de corte, muito utilizado na ornamentação de ambientes. A atividade conta com a parceria do Sebrae Paraíba, na elaboração do projeto e capacitação das cooperadas. Pilões está assim sendo um exemplo para toda a Paraíba. Outros municípios, como Bananeiras, Borborema, Areia e Serraria já estão fazendo parte do projeto de Floricultura do Brejo.


Um comentário:

dario de lima disse...

eu vie no fatatico vosso trabalho e muito bonito todas estão de parabens