quarta-feira, 12 de novembro de 2008

De bem com a vida!


Por Lia Sahadi
Especial para este Blog

Ana Paula Lima Santos, 22 anos, a Aninha (foto), é uma pessoa alegre e determinada. Consegue tirar renda para suprir necessidades mais imediatas vendendo docinhos na faculdade onde estuda. Teve uma trajetória de vida difícil, mas isso não a impede de correr atrás dos seus sonhos. Natural de Valente (BA), Ana Paula nasceu com uma deficiência motora. Sua mãe biológica, Risélia Lima Santos, sem condições financeiras de sustentá-la e lhe dar o tratamento necessário, deu-lhe em adoção. Aos oito meses de idade foi adotada por Josefa Maria das Neves, que lhe deu carinho e o tratamento necessário para sua reabilitação. Porém o destino lhe pregou mais uma peça: sua mãe adotiva sofreu um acidente e morreu.
Aninha passou, então, a morar com uma tia. Aos 16 nos, mudou-se para Brasília. Foi morar com a irmã adotiva, Gislene, pois queria estudar. Conseguiu bolsa integral em um cursinho pré-vestibular e passou a trabalhar em uma operadora de telemarketing. Aos 19 anos, Ana Paula saiu da casa da irmã e alugou um quarto em casa de família, por R$150 reais mensais. Mas a Teleperformance, empresa onde trabalhava, diminuiu o quadro de funcionários e Aninha foi demitida. Nesta fase, já estava namorando Alexandre, seu grande incentivador e companheiro.
“Ela é uma menina muito forte, guerreira, batalhadora. Ela pode contar comigo em qualquer momento. Sempre que ela precisar vou estar ali para ajudá-la”, diz Alexandre.
Sem trabalho e sem o dinheiro que recebia mensalmente ficou difícil pagar o aluguel e foi morar com seu namorado e seus sogros, que a receberam com muito carinho e amor. “Sou eternamente grata por tudo que fazem por mim”, afirma.
Mesmo não conseguindo passar na Universidade de Brasília, Ana Paula não desistiu de correr atrás de seu sonho, que era o de fazer o curso de Jornalismo. Tentou e conseguiu bolsa integral, por meio do Pro-Uni, programa do Governo Federal, bolsa integral para a Faculdade IESB de Brasília.
Teve, então, a idéia de fazer docinhos para vender na faculdade, pois não queria depender do dinheiro de ninguém comprar suas coisas. Vende docinhos três vezes por semana, por R$1 a unidade. Os abores são diversos : brigadeiro, beijinho, brigadeiro com morango, casadinho, ovomaltine, palha italiana e prestígio.
Os docinhos são conhecidos e adorados pelos colegas e demais alunos, que muitas vezes até ligam fazendo encomendas. Com a renda obtida, além de comprar o que precisa para a vida diária, até lhe permite comprar ingressos para shows de seus artistas preferidos.

3 comentários:

Adam B Hardy disse...

Vivo nos Estados Unidos e aprendi falar portugues. Poso obter algumas dos docinhos que Aninha faz? Eu gostaria de provar-os e pagar para os.

Ana Paula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Paula disse...

Amei a matéria Lia. É muito bom ter o reconhecimento de pessoas queridas como vc! Obrigada! Beijos!!!!!!!!