sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Brechós virtuais

http://gardenyasbrecho.blogspot.com

Uma idéia antiga que ganhou cara nova com a internet: são os brechós on-line. Basta um clique para acessar páginas onde é possível "vasculhar" e achar aquela peça que pra você faz a diferença. Há quem desconfie, pois as peças que chegam a custar menos da metade do que valeriam na loja. E o brechó guarda seus tesouros.

“Eu adoro vir aqui pra comprar algumas peças retrô, como vocês tão vendo essa bolsa do tempo da vovó”, diz a psicopedagoga Vânia Oliveira. O brechó também se ajustou aos tempos modernos. “A gente adapta também junto com o ateliê de restaurar essas peças, colocar na numeração da pessoa, ter realmente uma peça só de cada”, afirma Wanbecy Brito, dona do brechó.

Mas será mesmo preciso sair de casa para ver o que um brechó oferece? Muita gente já descobriu que não. Em vez de procurar endereços no catálogo telefônico, vasculha na internet. A tela do computador virou vitrine de roupas e adereços usados. Quatro publicitárias e centenas de peças esquecidas no guarda-roupa. Passar adiante, um bom negócio. Elas criaram um blog para isso. Usam técnicas de marketing, mandam e-mails, fazem promoções até para se destacarem entre muitos outros bazares que funcionam on-line.

“A gente investe na produção das fotos, na produção dos textos, tudo usando o que a gente conhece em publicidade”, diz a publicitária Juliana Benbassat.

Roupa deixou de ser despesa para se tornar fonte de renda. Algumas das meninas faturam uma média de R$ 1.000 por mês. Elas também fazem trocas on-line, num mercado cheio de particularidades. “As clientes que tiverem interesse nas peças podem pedir medidas mais específicas de busto, de cintura, de quadril. Elas se medem em casa, meio que fazem uma prova virtual pra poder saber se a roupa cabe”, explica a publicitária Anna Terra.

A maior parte dos clientes é de outros estados. A roupa segue pelos Correios. Não falta gente disposta a pagar o frete. Assim se dá um troca-troca que movimenta guarda-roupas pelo Brasil, pelo mundo inteiro. “Não tenho mais roupa velha. O que é velho, o que é seminovo, a gente já está postando no blog”, explica Catarina Souto, que também faz parte do brechó na internet.
Fonte G1

3 comentários:

Ana Claudia Fernandez disse...

Clara! me chamo Ana Claudia e possuo um brechó virtual e estou com dificuldade de divulgá-lo. O que você me sugere?
at.fernandez@bol.com.br

beeeth disse...

Olá! também possuo um brechó virtual de entregas somente em minha cidade, e gostaria muito que você pudesse me dar dicas, ele anida está pequenininho.

Obrigada

bethgmp@gmail.com

Vandilce Pereira disse...

Olá Clara, me chamo Vandilce Pereira e gostaria de montar um brechó virtual mais não sei por onde e como começar, por favor me dê uma dica.

Obrigado.
vanndd@gmail.com